Uma reflexão sobre a Greve dos caminhoneiros


3 de junho de 2018

O movimento chamado de greve de caminhoneiros comprometeu o funcionamento de empresas, escolas, estradas, etc., enfim, quase parou o país. A opção dos capitalistas brasileiros em beneficiar multinacionais automobilísticas na produção de caminhões e privilegiar o transporte rodoviário para o escoamento da produção teve o seu preço. E mostrou também o quanto é frágil a questão da mobilidade no país.

A greve se alastrou rapidamente para todos os estados e rodovias, ganhou amplo apoio popular e em alguma medida obrigou o governo a recuar e atender parte das reivindicações. Na esteira de um movimento que expressava a revolta do setor mais explorado do setor (maioria dos autônomos, agregados, contratados, etc.), as associações de transportadoras e empresários logo se incorporaram ao movimento como forma de pressionar o governo a garantir suas taxas de lucro.

No entanto, essa mobilização também trouxe muitas questões políticas e contradições, até mesmo reivindicações de intervenção militar. Além disso, trouxe também muitas polêmicas no interior da esquerda e, em vários casos, com avaliações parciais e unilaterais.

O movimento: parte Greve de Caminhoneiros e parte Lockout “da Patronal”

Nos últimos anos têm ocorrido mobilizações de massas com amplo apoio popular e de novo tipo: com novas especificidades e com o caráter de classe trabalhadora não presente ou muito diluído. Esse novo tipo tem levado a muitas polêmicas no interior da esquerda.

Para citarmos dois exemplos temos o impeachment de Dilma e essa mobilização de caminhoneiros.

No caso de caminhoneiros, uns caracterizam unicamente como lockout (paralisação por iniciativa patronal) e outros somente destacam a participação de trabalhadores.

Destacamos a complexidade dessa luta em que se misturam interesses de terceirizados, maioria dos autônomos, contratados, agregados – não são burgueses e o preço do diesel afeta a sua renda e o sustento de suas famílias – e também interesses da patronal, em que o preço do diesel afeta diretamente suas taxas de lucro.

Por isso, entendemos a necessidade de separar o “joio do trigo”, apoiando a reivindicação e a luta dos trabalhadores do setor, mas, ao mesmo tempo, denunciando os interesses da patronal que não está preocupada com os preços do gás de cozinha, por exemplo.

Um processo além do preço do diesel

Esse processo não pode ser analisado ou compreendido por si só.

A crise econômica, a instabilidade política, a presença da direita nos movimentos e o apoio popular são questões fundamentais e que devem ser consideradas sob pena de explicações parciais e unilaterais. E sem compreender essa totalidade na qual essa greve está inserida julgamos ser impossível entender a razão de existir tantas contradições.

Um elemento importante é o fato de as reivindicações serem de interesse da patronal e também dos caminhoneiros agregados, contratados, maioria dos autônomos e terceirizados. Situação em que a demarcação de classes não é explícita. É o caso da redução do preço do diesel.

Outro elemento se expressa no interior da burguesia com conflitos e lutas mais ou menos abertas entre as frações, que mesmo preservando interesses comuns a todo burguês, buscam melhores condições para preservar os interesses próprios de cada uma das frações. A fração produtiva se choca com a financeira, a comercial com a produtiva ou a agrária e assim por diante.

Nesse caso concreto, a política de preços praticada pela Petrobrás atende aos interesses de empresas imperialistas do petróleo e, consequentemente, deixa as empresas do setor de transporte descontentes. A parte do lockout foi a forma encontrada pela burguesia do setor de se apropriar de uma parte maior da riqueza produzida pela classe trabalhadora.

Também é preciso considerar a profundidade da crise econômica, uma das mais profundas da história, sem que tenha no horizonte qualquer possibilidade de solução em curto ou médio prazo. Depois de anos em recessão, o dito crescimento econômico do ano passado ficou muito longe de recuperar os níveis pré-crise. E o cenário para o próximo ano é de uma taxa próximo de 2%.

A recuperação econômica está longe de acontecer e não somente por conta de questões internas, mas principalmente pelo cenário da economia mundial também em crise, ainda que com mais mediações. A economia brasileira é extremamente dependente do mercado mundial principalmente em relação às commodities (petróleo, grãos, minérios, carnes, etc.). Nos últimos anos esses produtos tiveram muita variação de preço (alguns em queda acentuada) e também enfrentam uma maior concorrência.

E o controle exercido pelos rentistas, sobre a economia e o Estado brasileiro, impede até mesmo a implementação de planos de investimentos. Considera-se ainda a desindustrialização com a redução do parque industrial e a limitação na produção de riqueza, que ainda sustenta de fato todos os demais negócios da burguesia.

Por fim, mas, não menos importante, e uma característica marcante de uma economia dependente – para compensar as perdas nas trocas realizadas no mercado mundial – é a questão da burguesia local necessitar ampliar a exploração sobre a classe trabalhadora brasileira. As reformas Trabalhista e Previdenciária, a ampliação da Terceirização, a redução dos gastos públicos com a Emenda Constitucional 95, as restrições ao seguro-desemprego e aos benefícios previdenciários, etc. são mecanismos de ajuste dessa superexploração e do papel cumprido pelo Estado.

São esses, no nosso modo de ver, alguns dos elementos a serem considerados para uma aproximação do entendimento da greve dos caminhoneiros.

Apoiamos a luta dos trabalhadores

Reconhecer essas contradições é o primeiro passo para os revolucionários terem uma política justa e preservar os interesses da classe trabalhadora, apoiando os explorados e se opondo aos interesses burgueses.

Nos colocarmos contra a luta é na prática nos omitir da necessidade de fortalece-la e de disputar a consciência da classe trabalhadora de conjunto. E um apoio sem as devidas críticas à presença e participação da burguesia do setor é na prática capitular a essa fração da burguesia. Duas posições aparentemente opostas, mas na prática muito próximas.

Assim, é fundamental que a classe trabalhadora se diferencie, imponha a sua pauta e lute de forma independente. Essa diferenciação somente poderia ser feita a partir da ampliação da pauta, incorporando reivindicações que atraísse os demais setores da classe trabalhadora e do povo pobre, única maneira de a luta ganhar um caráter classista.

A greve realizada pelos petroleiros demonstrou uma maneira concreta de ampliação dessas reivindicações. Colocou questões capazes de atender o conjunto da população pobre como o caso do preço do gás de cozinha e também foi direcionada para a mudança da política de preços da Petrobrás.

As greves confirmam a força para pressionar governos e patrões. Entendemos que o setor de transporte é estratégico. No entanto, da mesma forma que sua greve pode fortalecer uma luta classista também pode se tornar um instrumento a serviço da burguesia, caso seja dirigida diretamente pela burguesia ou por direções pró-burguesas.

Um exemplo histórico, em um outro momento da luta, foi o que ocorreu no Chile, quando esse setor cumpriu um papel central na organização do golpe contra Allende. A greve durou 26 dias, desestruturou a economia e rompeu o ciclo produção-circulação, sem o qual não há reprodução capitalista.

É muito importante que a esquerda procure entender e intervir sobre essa questão com o esforço de dialogar com a classe trabalhadora e ganhá-la para posições de aproximação com o movimento desses trabalhadores e vice-versa a fim de se colocar no campo classista e contra os empresários.

Condições de trabalho dos caminhoneiros

Quem mora nas periferias certamente conhece, pelo menos, um caminhoneiro. E sabe bem de suas condições de vida. Retira seu sustento desse trabalho, normalmente pagando o caminhão em pesadas prestações, com jornadas diárias de trabalho de 16 horas ou mais, com risco de acidentes, má alimentação, problemas de saúde, com risco de roubo de carga, dentre outros tantos problemas.

Essa maioria do motoristas autônomos e agregados – mesmo possuindo o seu meio de trabalho, o caminhão – não são burgueses, pois não exploram ninguém, ao contrário, são explorados pelas empresas transportadoras que funcionam como intermediadoras. Tem ainda o fato de seu sustento e de suas famílias sair dessa atividade.

Por isso, o nosso apoio tem sido a esses trabalhadores, tanto aos que vendem a sua força de trabalho diretamente como empregados quanto aos que vendem indiretamente de forma precarizada como os autônomos, contratados e terceirizados.

A mobilização se encontrou com a revolta da população

O imenso apoio popular a essa luta é expressão de um sentimento que domina milhões e milhões de pessoas imersas em condições de vida cada vez piores.

As pessoas estão submetidas ao desemprego, ao baixo salário, sem onde morar, sem ou com carência de serviços públicos que atendam minimamente, já vivendo a substituição do fogão a gás pelo fogão a lenha tem gerado, etc. Tudo isso gera descontentamento na maioria da população.

A greve se encontrou com essa condição de vida e com esse sentimento. As pessoas se viram representadas pelos caminhoneiros que iam mostrando força e que vale a pena a união. Foi um sentimento muito parecido com o que construiu a greve geral de abril do ano passado.

Essa greve deixou esse sentimento importante de que, quando as pessoas se juntam, as coisas podem mudar. Podemos derrotar governos, derrotar patrões e, enfim, a vitória pode ser alcançada.

O apoio da população a essa greve representou para a própria população uma forma de protesto contra o governo e sua política econômica, responsáveis pelas péssimas condições de vida que a classe trabalhadora enfrenta.

Quem paga e quem deveria pagar a conta

As pautas pelas quais os movimentos lutam são fundamentais porque indicam o horizonte, ou seja, para onde se quer ir.

A luta teve algumas conquistas importantes, sem a luta não as haveriam. No entanto, uma questão que não poderia se abrir mão precisava ter sido pautada: a que não fosse a população a pagar a conta.

Temer e seus aliados fizeram manobras e mentiram. Para garantir a redução do preço vai tirar recursos de programas sociais que atendem trabalhadores como PIS e do COFINS. São dois tributos arrecadados para serem destinados aos programas de abono aos trabalhadores com registro em carteira profissional e ou destinado aos programas da seguridade social. Ou seja, estão sendo tirados de nós mesmos.

A política de preços da Petrobrás, com aumentos conforme a variação de preços internacionais, favorece diretamente as empresas multinacionais como a Shell e a Texaco.

Por isso, a reivindicação mais importante deveria ser a exigência de acabar com essa política de preço para beneficiar, assim, não somente os caminhoneiros, também toda a população pobre.

Para isso a Petrobrás deve ser totalmente pública, como reivindicam os petroleiros, e com a estrutura que garanta e atenda a produção e as necessidades da população e não das empresas multinacionais.

Outra fonte de recursos possível para a população ter gás e gasolina acessíveis é com o não pagamento da dívida pública, hoje totalmente controlada por banqueiros e agiotas, que suga metade do orçamento federal todos os anos.

O atendimento das reivindicações não mexeu com um centavo dos acionistas e especuladores, que lucram com a atual política de preços praticada pela diretoria entreguista da Petrobrás e com o pagamento dessa dívida pública.

Por isso, é preciso dizer que a luta não acabou. Essa situação só reforça a necessidade de a classe trabalhadora ter as suas pautas e lutas de forma independente da burguesia.

Parente pediu demissão. Temer se segura?

Mesmo com a pauta da greve sem reivindicar a derrubada da política de preços da Petrobrás, o fato é que foi questionada. Vários setores (burguesia, parlamentares de vários partidos, etc.) passaram a defender mudanças.

Pedro Parente, o presidente pró-multinacionais da Petrobrás, não resistiu e pediu demissão. Com o novo presidente não terá mudanças nessa política de preços, mas mostrou a força desse movimento que foi reforçado pela greve dos petroleiros.

Já Temer segue como um “morto-vivo”. O atual momento de seu governo é de ser um dos mais impopulares da história recente do país. Na classe trabalhadora, o sentimento é de ódio. Já no interior da burguesia, o sentimento é de preocupação com a possibilidade de novas revoltas. Isso é latente e poderá gerar uma situação de descontrole político e social.

Um governo que não consegue aplicar as medidas necessárias ao capital e não tem a legitimidade necessária para manter as coisas e a população sob controle não interessa a burguesia. E para piorar, instituições como parlamento e judiciário também não contam com a simpatia da população, pois representam o favorecimento dos ricos e dos corruptos, ou seja, da continuidade e do mesmo.

Poucos partidos querem defender abertamente o governo Temer. Ter a imagem associada a Temer às vésperas do processo eleitoral pode significar perder uma eleição. Até mesmo partidos da base governista como o DEM e o MDB o criticam abertamente e procuram se desassociar de sua imagem.

Golpe? Intervenção militar?

Há algum tempo a burguesia brasileira vive o dilema de manter Temer até a posse do novo presidente ou colocá-lo para fora. A opção foi mantê-lo, mas o preço está sendo alto. O problema que se coloca é quem o substituiria e quem o faria de maneira temporária.

Sem solução dentro da institucionalidade, um setor militar e até mesmo um do “baixo clero” da burguesia passaram a defender a saída com os militares assumindo posições de governo. Em vários momentos ocorreram manifestações públicas de generais como do Mourão, causando mais impacto.

Explicitamente passou-se para a defesa de uma solução reacionária para a crise com um governo mais duro e repressor, ou seja, bonapartista com capacidade de centralizar as frações da burguesia.

Continuamos avaliando que são pequenas as possibilidades de um golpe. Mas, isso não pode significar fechar os olhos para essa possibilidade. A crise política, a falta de legitimidade dos “meios políticos normais”, o aprofundamento da crise econômica, o fato de a burguesia ainda não ter encontrado o seu candidato com respaldo popular e uma explosão social e política são elementos que podem levar a burguesia a considerar essa hipótese e adotar uma medida de força, possível de ser aplicada somente por órgãos de repressão.

Sobre a intervenção militar: o problema é bem maior

O fato de a burguesia ter tendência a endurecer e aumentar a repressão em tempos de crise é real, já sabemos. A novidade do momento é que a ideia de intervenção militar tem adquirido apoio em um setor de massas.

Nessa greve o tema novamente surgiu e merece a nossa preocupação. Primeiro, ressurgiu em um movimento nacional com repercussão na sociedade. Parte do setor que continuou a greve, dirigido por quem defende a intervenção militar, passou a reivindicar no movimento a “renovação política”; Segundo, houve uma mobilização das Forças Armadas com ocupação de refinarias e distribuidoras de combustíveis, não houve nenhuma resistência e, em alguns lugares, com saudação de populares (ainda pequenos grupos); Terceiro, o fato de o comando das Forças Armadas não rechaçarem essa possibilidade, talvez até como forma de conseguirem mais espaço nas decisões políticas; Quarto, o fato de as forças policiais não terem reprimido os bloqueios após os defensores da intervenção militar ganharem destaque, o que pode significar a simpatia de policiais a essa proposta.

Esse tema e os seus defensores tem ocupado um espaço na situação política. E um espaço à direita.

Assim, é fundamental incorporar esse tema nas mobilizações da classe trabalhadora e nas entidades e fóruns de luta, votando campanhas contrárias, denúncias do significado de uma intervenção militar, etc.

Ganhar a classe trabalhadora para lutar contra qualquer medida reacionária e de fortalecimento do aparato repressivo do Estado vai decidir esse jogo contra a direita. E a responsabilidade maior é nossa, da esquerda.

A partir daqui não apoiamos mais

Após o acordo com o governo federal de redução do diesel, não cobrança de pedágio quando o eixo estiver suspenso e a garantia de 30% de fretes nas companhias de abastecimento, a maioria dos caminhoneiros saíram do movimento, a maioria dos que ficaram no movimento era dirigida politicamente pela direita e, em muitos bloqueios, cresceu a defesa de “renovação política” e consequentemente de intervenção militar.

A partir desse momento esse movimento, como já dissemos bastante complexo, deixou de ter pautas progressistas e tentando se apoiar no respaldo popular busca desviá-lo para “movimento popular de apoio à intervenção militar”. A partir desse momento não mais o apoiamos.

Essa situação somente reforça a necessidade de a esquerda ter uma política para esses lutadores e os demais setores explorados da sociedade, ganhá-los para a luta e para uma política de aproximação com o movimento operário, construindo uma frente contra o governo e a patronal.