Fim da greve da Mercedes – Saldo positivo para os trabalhadores


26 de Maio de 2018

Contribuição de um trabalhador da Mercedes-Benz

Chegou a fim a greve da Mercedes com algumas conquistas importantes para os trabalhadores, que se mobilizaram desde o dia 14 de maio de 2018, quando realizaram uma assembleia na porta da fábrica.
A adesão dos trabalhadores à greve foi muito boa. Não se enfrentou problema de resistência, como por exemplo, quando os trabalhadores querem furar a greve e forçar a entrada da empresa. Essa união foi fundamental para as nossas conquistas.
Por outro lado, foi negativa a falta de transparência e democracia pela direção do sindicato. Não havia informação sobre as propostas que estavam sendo levadas à mesa de negociação. Isso é ruim, principalmente ante a situação apresentada pela empresa de que os trabalhadores estavam pedindo demais. A empresa queria que algumas cláusulas sociais históricas da convenção coletiva fossem retiradas, além da constante ameaça de demissão, dessa vez no setor administrativo, no qual se ameaçava mais de 300 empregos do pessoal de escritório.
No final nossa mobilização conseguiu um reajuste real de 1,5%, que, em que pese não ser o que os trabalhadores esperavam, é positivo, principalmente face ao endurecimento da empresa, manutenção por mais dois anos das cláusulas sociais da convenção coletiva, com destaque àquela que garante estabilidade ao empregado acidentado no trabalho, o cancelamento das demissões e principalmente, o de que não haverá desconto nos salários dos trabalhadores – com a implementação de um esquema de reposição do trabalho que vai garantir o pagamento dos dias de greve. Também foi conseguido um aumento da participação nos lucros.
Tudo isso só foi possível porque a mobilização dos trabalhadores foi forte, recebendo apoio de outras categorias, solidariedade essa muito importante para a luta, com resultado positivo mesmo a empresa tentando enfraquecer a greve.