Breve reflexão sobre os últimos anos do movimento petroleiro


4 de Fevereiro de 2018

 

O Acordo Coletivo de trabalho dos petroleiros 2017-2019 foi o pior dos últimos anos. Num cenário de constante ameaça de privatização de unidades e uma política de culpar vítimas de acidentes, os petroleiros ainda amargam no Acordo perda de benefícios sem qualquer contrapartida e um reajuste de 1,73%. Benefícios como AMS (Assistência Multidisciplinar de Saúde) ficarão bem mais caros aos bolsos dos trabalhadores e alguns como o Benefício Farmácia podem, na prática, acabar sendo inviáveis à maioria. Além disto, cláusulas como de despedida coletiva, ficaram nebulosas, se limitando a formalidades como “discussão” com sindicatos.

O principal culpado deste fechamento de acordo é a Federação Única dos Petroleiros (FUP), Federação ligada à CUT que, sem tentar qualquer resistência, indicou que seus sócios aprovassem o que a diretoria da empresa queria.

É importante entender que o fechamento deste acordo coroa o jejum de 2 anos sem greves nacionais dos petroleiros, após a histórica greve de 2015. O ano de 2015 foi um divisor de águas, uma greve onde a empresa tentava retirar benefícios e, com a luta, os petroleiros garantiram sua manutenção. Contudo, no meio do caminho, quando era possível avançar, a FUP retirou o time de campo e orientou que suas bases recuassem. O diferencial foi que, na época, três de suas quinze bases se rebelaram e se mantiveram na luta junto com a Federação Nacional dos Petroleiros (FNP), uma Federação independente que coordena cinco sindicatos no país.

As bases “rebeldes” de 2015 tiveram de lutar contra o inimigo de classe, mas também tiveram que lutar contra seu falso aliado, diretorias de sindicatos que faziam de tudo para desanimar o grevista. No final, acabaram recuando de forma honrosa, vendo que seus líderes se mostraram incapazes no momento que mais se precisava deles.

Um processo de luta como o de 2015 gera lições e experiências na categoria e nas direções. Parte importante da categoria entendeu que se precisava de ferramentas que não temos nos dias de hoje, que fossem capazes de unificar os trabalhadores de base, o “chão-de-fábrica” dos diversos cantos do país, sem depender de qualquer líder sindical cheio de motivos obscuros… e também sentiu que não estava pronta para enfrentar o time adversário quando seu técnico está vendido…

Já parte das direções Fupistas aprendeu que a greve é perigosa demais para ela, pois mostra aos trabalhadores quem eles são de fato. Nestes elementos devem estar à explicação para os dois anos seguintes…

O ano de 2016 foi o ano em que só tivemos lutas isoladas, que não foram pequenas, mas não unificaram as diversas bases como, por exemplo, a greve de H1 (greve apenas no turno da noite), que enfrentou ameaça de advertência e o medo de diretores sindicais locais. Tivemos também blefes da FUP. Quem não se lembra da “greve de Natal e Ano Novo”? Naquele ano, a FNP ficou a reboque da FUP, sempre tentando fazer um acordo com as direções, sem alcançar as bases Fupistas.

Em 2017, na sequência, foi o ano onde vivemos num eterno “estado de greve e assembleia permanente” que nunca chegou a uma greve de fato. Até que em 2018 se assina o limitado acordo que a diretoria da FUP diz ser uma grande conquista. Isolada e sem forças, a FNP teve de voltar atrás em suas tentativas de greve e acabou por assinar também o acordo, contudo deixando seus trabalhadores cientes dos limites. Enquanto a FUP assume cada vez mais seu papel de direção que freia os trabalhadores, a FNP apesar de tentar mobilizar suas bases, se mostrou incapaz de ser direção nas bases da FUP.

A conclusão do processo é que as tarefas colocadas em 2015 para os petroleiros ainda não foram cumpridas. Não se conseguiu até aqui, de forma unificada, criar rebeldia nas bases da FUP, e não se conseguiu trocar as direções Fupistas. Apesar de suas particularidades, o processo de petroleiros se assemelha ao processo mais geral do proletariado brasileiro que, após as grandes lutas de 2013, não consegue avançar superando as tarefas que se abriram, ou trocando suas direções vendidas/burocratizadas, perdendo direitos sem apresentar uma resistência à altura.