A crise econômica capitalista é profunda


1 de setembro de 2017

Muitos dizem que a crise vai passar e tudo vai voltar a ficar bem, mas a cada dia percebemos isso ficar mais distante. A crise que é estrutural tem seus picos e cada um é ainda mais grave e mais longo que o outro. É isso que estamos vivendo desde 2008, que alguns já diziam ser o mais grave desde o crash de 1929 e também já está sendo o mais longo.

Entender isso é importante porque os capitalistas buscam, no mundo todo, retomar suas taxas de lucro retirando da classe trabalhadora e também utilizam cada vez mais formas e métodos ainda mais agressivos. A onda mundial de ataques aos direitos trabalhistas e sociais é a mais evidente demonstração de que a exploração está ficando maior.

Diferente das crises anteriores, quando as medidas adotadas pelos capitalistas permitiam retomar crescimento anterior, ou seja, retomar os lucros, as principais economias do mundo não conseguem alcançar os níveis de crescimento que tinham antes de 2007. Até crescem, mas não crescem o esperado pelos capitalistas.

Nesse período longo de pico de crise, que chamaremos aqui de longa depressão, tem-se um crescimento tão baixo e lento que as economias não retornam a níveis anteriores. E como parte da crise estrutural – que atinge a totalidade do sistema e não se limita apenas a um país, com duração permanente – não nos deixa ver sinais de recuperação. Isso significa que necessitamos também, como classe trabalhadora, de formas e métodos agressivos na organização e na luta para não continuarmos arcando com as consequências da crise.

Há vários elementos que dificultam resolver a crise econômica e reverter de maneira consistente a queda da taxa de lucro. Em alguns momentos o capital pode aumentar investimentos e a produtividade, aumentar a exploração sobre a classe trabalhadora, expandir o consumo e na mais grave crise até então, a de 1929, quando se esgotaram as medidas “normais”, pode realizar uma guerra com proporções nunca antes vistas e que abriu longos anos de acumulação de capitais.

Hoje, os capitalistas não podem lançar mão de um confronto militar nas proporções da II Grande Guerra, pois, nesse momento, significaria a aniquilação da humanidade e, por consequência, do próprio capital. Somente com uma queima de capital nessa proporção se poderia entrar em um período longo de estabilidade e hoje pode-se mover a indústria da guerra somente em guerras locais ou regionais.

E outro elemento importante é o peso do capital especulativo e fictício sobre as demais frações do capital que atuam sem controle e colocam contradições. O deslocamento de imensas somas de capitais para remunerar o capital especulativo tem como efeito reduzir as possibilidades de investimentos, que seria fundamental para retomada de um crescimento consistente.

Esses problemas conjuntamente indicam que em um curto espaço de tempo não haverá a retomada do crescimento nos mesmos patamares do período pré-crise. Os próprios organismos internacionais da burguesia (FMI, BM, etc.) não estão ousando apostar em uma rápida recuperação. E para não assustar fazem o discurso de que a recuperação vai ser longa e lenta.

 

Riqueza cada vez mais concentrada, pobreza cada vez mais ampla

Dados de 2015, nos países da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE, que reúne 34 países), os 10% mais ricos concentravam 50% da riqueza, enquanto os 40% mais pobres tinham acesso apenas a 3% dela. Nesse período, a metade da riqueza do mundo estava nas mãos de apenas 62 pessoas. Quando consideramos todos os países do mundo, por dados de janeiro de 2017, apenas 8 pessoas possuem uma riqueza ao equivalente a 3,6 bilhões de pessoas, a metade mais pobre que o capitalismo produziu em sua existência. Com o aumento da exploração essas desigualdades tendem a aumentar.

Nessa época imperialista – suscintamente caracterizada pela concentração de produção (cartéis), monopólio dos grandes bancos (a preponderância das organizações rentistas), controle econômico do mercado mundial e a partilha territorial do mundo (colonialismo ou neocolonialismo) por um pequeno grupo de países – não está eliminada a concorrência, pelo contrário, se mantém forte e regulada principalmente pelos organismos internacionais como a ONU, FMI, Banco Mundial, entre outros.

No entanto, diante da crise, essa concorrência negociada pode ruir e abrir um período de disputas mais intensas entre os países imperialistas e até mesmo entre países que não são imperialistas. Quando não chegam em acordos, essas disputas aparecem sob a forma política e também militar. E como tem prevalecido nesse momento a ausência de acordos no campo econômico alguns países já têm colocado sua força militar em movimento. Enquanto as frações da burguesia se mantêm em disputa na concorrência é a intensificação da exploração da classe trabalhadora que entra no jogo.

 

Uma ofensiva global sobre direitos sociais e trabalhistas

Diante da queda da taxa de lucros os capitalistas disparam várias medidas: Redução de direitos trabalhistas e sociais, desmonte de políticas públicas, venda de ativos e empresas do Estado (privatização, concessão e outros mecanismos de transferência de bens estatais para as empresas privadas). Em vários países do mundo os governos e a patronal têm implementado essas medidas.

A aplicação da Reforma Trabalhista na França, os trabalhos parciais nos Estados Unidos, os “minijobs” na Alemanha (sem direitos à aposentadoria, seguro desemprego, com jornada de tempo parcial), a terceirização, a aprovação da Reformas Trabalhista e a tentativa de aprovar a Reforma da Previdência no Brasil e o aumento da idade mínima para aposentadoria em vários países são demonstrações de se tratar de uma política global dos capitalistas sobre os direitos sociais e trabalhistas.

Outra medida que a burguesia está impondo diz respeito às formas de organização dos trabalhadores, atacando o direito à organização, impedindo a sindicalização, cooptando as direções sindicais, enfim, várias medidas que resultaram em atrelar os principais sindicatos e centrais sindicais ao Estado e à gestão do capital.

E diante do aumento da miséria, do desemprego, da precarização do trabalho e da retirada de direitos em nível mundial, a resistência da classe trabalhadora aumenta.

 

A resistência da classe trabalhadora

Os trabalhadores gregos e inúmeras greves gerais, as gigantescas mobilizações na França, a greve geral no Brasil e na Argentina. Apesar de não termos obtido vitórias, foram recolocados em cena os vários setores da classe trabalhadora mundial.

No México, as mobilizações de caminhoneiros que se estenderam por vários setores de trabalhadores como motoristas, rurais, professores e estudantes. Antes, as mobilizações gigantescas exigindo a apuração do desaparecimento dos 43 estudantes de Ayotzinapa.

No Chile, milhões marcharam contra as Administradoras de Fundos de Pensão, além das mobilizações do movimento estudantil. Também a greve dos mineiros da região de Escondida chegou a balançar o mercado mundial de cobre.

No Peru trabalhadores além do setor público, os mineiros do setor de cobre de Southern protagonizaram outra greve enfrentando a exploração das empresas estadunidenses.

Onde melhor tem se expressado a relação lutas/greves é na China. Dados oficiais (divulgados pelo site China Labour Bulletin) dão conta que no ano de 2016 foram quase 3 mil conflitos trabalhistas, envolvendo quase 1,8 milhão de trabalhadores.

Também nos Estados Unidos ocorreram várias greves, questionando ações de empresas que tentam diminuir salário ou retirar direitos (como assistência e benefícios de planos de saúde).

Também aconteceram greves de petroleiros em vários países: Gabão, Kasaquistão. Kuwait em 2016 teve uma greve de 3 dias que fez a produção de petróleo do país cair pela metade. Neste ano, os petroleiros (empresa estatal e outra canadense) de Costa do Marfim. Os trabalhadores públicos também realizaram greve por três semanas exigindo benefícios sociais.

São lutas pequenas, de resistência aos planos de ajustes aplicados pelos diversos governos, mas são novidades para o momento, pois presenciamos muitos anos de ofensiva contra os direitos trabalhistas e sociais sem que houvesse lutas.

Sem retirar a importância dessas lutas é importante demarcar que elas têm um caráter defensivo, com o esforço de manter conquistas obtidas há muito tempo e que agora o capital quer retirar. Ainda assim se deparam com a dureza da burguesia e na maioria dos casos a classe trabalhadora tem sido derrotada.

Até esse momento as lutas têm tido caráter popular, ou seja, mobilizações envolvendo vários “atores sociais” (classe média, juventude, pequena burguesia, setores que não necessariamente se identificam como classe social), com várias demandas e sem conexão com as bandeiras contra o capitalismo. Popular quer dizer, sem uma definição precisa de classe social. Trata-se, em muitos momentos, de um peso grande de setores de classe média e da pequena burguesia, suscetíveis às pressões da burguesia.

Outra questão importante é reafirmar a necessidade de ganhar os setores pauperizados, moradores das periferias do mundo, pobres e miseráveis para se juntarem às lutas contra o capital, sob direção da classe operária.

Também é imprescindível para enfrentarmos a ofensiva burguesa superarmos as direções sindicais e políticas do movimento mundial que estão, com pequenas e raras exceções, engajadas no próprio projeto da burguesia. Uma ou outra cumprem um papel de “esquerda capitalista”, mas a maioria das organizações do movimento social está sob controle de direções burguesas, pelegas e burocráticas. Essas direções são de fato um obstáculo importante a ser superado para o fortalecimento da classe operária como sujeito político e social.

A ausência do proletariado industrial enquanto força política e atuante como vanguarda das lutas é o maior desafio que as lutas da classe trabalhadora pelo mundo enfrenta. O proletariado é o que pode fazer a balança pender para o nosso lado por ser o produtor da riqueza material e interferir diretamente no coração do capital. Dessa ausência deriva um problema crucial: a ausência de projeto socialista na consciência da classe trabalhadora. Sem a presença e direção da classe operária não é possível o movimento desenvolver uma consciência de classe e socialista de massas. De todo modo só o simples fato dessas lutas existirem a possibilidade de construção de uma alternativa em que o movimento vá à esquerda com bandeiras anticapitalista e passem por cima da burocracia já está colocada.

 

Um período de disputas ideológicas: a crise de alternativa e a direita

Como caracterização geral a situação política mundial é parte de um período de longo prazo aberto com a queda do Muro de Berlim e dos Estados burocráticos do Leste. Por mais lutas e resistência que tenham ocorrido nesse período elas não foram suficientes recolocarem a luta por uma sociedade socialista. Esse período é marcado pela ofensiva do capital contra os trabalhadores: neoliberalismo, ampliação da mundialização do capital e com ela a desregulamentação de direitos sociais e trabalhistas, invasões Iraque e outros países do Oriente Médio, a ofensiva de Israel contra os palestinos, entre outros tantos.

Há em curso uma experiência de massas – ainda que pela negativa – com as diversas direções burguesa, reformistas e nacionalistas burguesas que já demonstraram a sua incapacidade de ser uma alternativa para os trabalhadores. E esse processo abre espaço para a disputa pela consciência da classe trabalhadora, de ganha-la para um projeto de ruptura com o capitalismo.

Opinamos que uma saída de tipo fascista não é a política dominante no interior da burguesia mundial, que ainda aposta na aplicação de medidas via a legalidade, ainda que cada vez mais lance mão de formas antidemocráticas. Mas é inegável que exista enquanto movimento, que se traduziu no aumento da popularidade tanto no Brasil quanto em várias outras partes do mundo como nos EUA com os atos contra negros e pela supremacia branca. E considerando a profundidade da crise e os limites do capital em resolvê-la, na atual conjuntura, não podemos descartar completamente que no interior do imperialismo ocorra um deslocamento de um setor mais amplo em direção ao fascismo.

 

Uma saída para a classe trabalhadora

Nesse sentido, uma tarefa importante na luta contra o capitalismo é a recuperação da ideia do que é o socialismo, desmentir os ideólogos burguesas e essas direções burocráticas que deformam o conteúdo do socialismo e do marxismo. E é importante reafirmarmos:

– Controle dos meios de produção, que não serão só estatizados, mas controlados socialmente pela classe trabalhadora, através dos organismos de poder. É a socialização dos meios de produção;

– Democracia da maioria, dos que realmente produzem a riqueza social. O poder vai ser exercido pelos produtores através de seus organismos de luta e organização. Controle sobre os representantes com revogabilidade de mandatos, sobre suas atividades e nenhum privilégio em relação aos demais membros da sociedade;

– Cargos públicos não poderão ser utilizados para preservar o poder ou privilégios de um grupo ou casta;

– A decisão sobre o que produzir, como e para que produzir e sobre toda a distribuição será decisão coletiva, para atender as necessidades da maioria, preservar a natureza e a relação harmoniosa entre humanos-natureza;

– Ampla democracia com direito de existência de vários partidos operários e tendências de esquerda com seus espaços próprios de decisão sem a sobreposição aos organismos do conjunto da classe trabalhadora;

– Forças militares de defesa da revolução formada por trabalhadores/as e toda a sua oficialidade eleita e controlada democraticamente pela base das forças militares e pelos organismos de poder da classe trabalhadora. Não será para reprimir a classe trabalhadora, mas sim um organismo de autodefesa da classe contra os capitalistas.