Espaço Socialista e MOS: Contra os donos das transportadoras, lutar junto com os trabalhadores caminhoneiros!


27 de Maio de 2018

Espaço Socialista e MOS

Derrotar a direita que atua nesse movimento!
Não à intervenção das forças armadas!

A ideia de que a luta dos caminhoneiros não tem contradições é equivocada. De um lado têm os interesses dos que vivem do seu próprio trabalho como os autônomos, os terceirizados e os contratados. De outro lado, têm os interesses das grandes empresas de transporte que têm usado o movimento para aumentar sua taxa de lucro.

Essas empresas de transporte utilizam o movimento para benefícios fiscais e tributários para aumentar os seus lucros. Isso significa retirar dos serviços públicos e repassar para esses empresários. Não querem a redução do preço, mas sim a isenção nos tributos.

Já a reivindicação dos trabalhadores caminhoneiros pode ser atendida sem piorar mais os serviços públicos, que é a redução de preço e que atende aos demais setores da sociedade, principalmente os mais pobres. Por isso, objetivamente, enfrentam a política de preços do presidente da Petrobrás, de Temer e de empresas como Shell, Texaco, etc., empresas beneficiadas pelas medidas do governo e da Petrobrás.

Com isso fazemos uma diferenciação necessária no apoio ao movimento.  Há os que exploram e há os que são explorados em que, nesse momento, algumas demandas se misturam, como por exemplo a alta do preço do diesel já que para os donos das empresas representa a redução de seus lucros. E para os trabalhadores autônomos e terceirizados representa a redução nos seus rendimentos.

Outro componente é a presença de um setor de direita, que defende intervenção militar e até Bolsonaro. As pichações e faixas na frente de algumas refinarias, as faixas e discursos pró-intervenção militar em vários bloqueios e caminhões, atos e discursos são expressões da força que esses setores têm construído junto aos trabalhadores do setor, ainda que pareça ser minoritário. Mas, existe e não podemos desprezar a sua presença.

Não à intervenção das Forças Armadas no conflito

Temer e os governadores, protegendo especuladores e acionistas da Petrobrás, acionaram o Exército para intervir no conflito. Há refinarias ocupadas, ruas vigiadas, ameaças de todo tipo contra os caminhoneiros que não aceitaram os primeiros termos de negociação entre Temer e os representantes de sindicatos patronais.

A militarização dos conflitos sociais é uma expressão do fortalecimento dos setores mais reacionários das Forças Armadas e da burguesia. Nos últimos anos a presença do exército na vida política do país tem sido constante, inclusive, já atuando como interventor na segurança pública do Rio de Janeiro.

Além de apoiar os trabalhadores caminhoneiros nesse momento a classe trabalhadora também precisa derrotar essa intervenção militar. Os militares não vão resolver o problema dos preços da gasolina, do gás de cozinha e do diesel, pois as Forças Armadas é um braço dos capitalistas e vão fortalecer as grandes empresas do setor petroleiro. Por que não prendem os empresários que praticam esses preços absurdos?

Nesse sentido a greve dos petroleiros, que começará dia 30 de maio, é o outro grande embate nesse momento e por isso precisa de todo apoio e solidariedade do conjunto da classe trabalhadora. Além desse apoio também devemos exigir das direções sindicais petroleiras que incorporem na pauta o fim da intervenção das Forças Armadas.

Atuar e apoiar esse movimento, com uma pauta da classe trabalhadora

O primeiro pseudo-acordo do governo com o setor somente atendeu aos interesses dos donos das empresas e ainda assim com os recursos públicos, dos especuladores e acionistas da Petrobrás não sai um real. Por isso, muitos trabalhadores não aceitaram o acordo e os bloqueios das rodovias permaneceram ativos.

Não diferenciar os atores sociais nessa luta, considerar que há somente empresários ou que há somente trabalhadores caminhoneiros, é capitular aos interesses burgueses.  Em essência a proposta não altera a política de preços, basta ver o preço da gasolina e do gás que são essenciais para o projeto de privatização das refinarias. O governo e a Petrobrás procuram atrair compradores oferecendo uma política sem controle de preços e com lucro ilimitado.

A atual diretoria da Petrobrás, que considera mais nos interesses dos Estados Unidos do que nos do povo brasileiro, anunciou que pretende avançar na privatização com a venda de 4 refinarias, de fábricas de fertilizantes, de poços de petróleo, etc., o que vai piorar ainda mais a vida do povo brasileiro.

Dentre essas reivindicações a redução dos preços do gás de cozinha e da gasolina, o fim dos pedágios e a luta por uma Petrobrás 100% pública, dirigida por quem nela trabalha e com uma política de produção e refino de acordo com as necessidades da população e não dos acionistas são fundamentais e, no entanto, o governo Temer insiste em não atender.

Outro ponto importante nessas reivindicações é o não pagamento da dívida pública. São bilhões de reais destinados aos especuladores e agiotas e que poderiam ser destinados à construção e manutenção de rodovias, serviços públicos gratuitos e de qualidade em Saúde, Educação, etc.

Por isso, a atuação das Centrais Sindicais nesse processo, junto aos trabalhadores caminhoneiros e aos petroleiros, deve ser combinada com uma pauta que atenda os interesses da população pobre e trabalhadora, caso contrário o governo Temer e a burguesia irão novamente levar as categorias profissionais e população a enfrentamentos entre si, favorecendo os movimentos de direita.

Com uma pauta que inclua as reivindicações mais imediatas e sentidas da classe trabalhadora conseguiremos incorporar outros setores da classe trabalhadora, avançando para uma luta contra o governo e a patronal e construindo de fato a Greve Geral.

A necessária incorporação dos demais setores da classe trabalhadora

Essa importante luta, que marca a conjuntura nacional está cheia de limites e contradições sobre as quais nós, da esquerda socialista, precisamos atuar conjuntamente.

Desconsiderar que a direita e setores da burguesia estão disputando os rumos e a direção dos movimentos de lutas, até para tentar impedir que a luta avance para outros setores da classe trabalhadora, é um erro que pode custar caro para toda a classe trabalhadora e em especial para nós.

Em um processo como esse, a independência política da classe trabalhadora é fundamental. Caso essa luta fique nas mãos da burguesia será conduzido de acordo com os seus próprios interesses e contra toda a classe trabalhadora. E essa independência se expressa em um programa, que é fundamental e decisivo para que a nossa luta seja vitoriosa. Além do apoio e solidariedade às lutas necessitamos dialogar com a classe trabalhadora de conjunto para avançarmos:

–              Abaixo as manobras da burguesia e do governo Temer!

–        Não à intervenção dos militares nas lutas da classe trabalhadora! Nenhum tanque nas ruas que ameacem os trabalhadores;

–              Redução do preço do gás de cozinha e da gasolina;

–              Denunciamos os setores patronais e da direita que estão atuando e tentam dirigir esse movimento;

–            Petrobrás 100% pública, sob controle dos petroleiros, como forma de adotar uma política de produção de petróleo e refino de acordo com as necessidades da população e contra as privatizações;

–              Não pagar a dívida pública e destinar esse dinheiro ao atendimento das reivindicações da classe trabalhadora (reformas urbana e agrária, plano de investimento para gerar energia para a população, plano de obras públicas, etc.). Dinheiro público para serviços públicos!